Hoje vamos passar para vocês algumas dicas de como compor fotos em perspectiva.

As dicas discutidas abaixo não são de forma alguma regras. Muitas vezes há circunstâncias que limitam o quanto essas dicas podem ou devem ser implementadas. Mas ainda assim,  podem ser usadas como um ponto de partida.

1. Siga a regra dos terços

A regra dos terços é uma das regras de fotografia mais conhecidas. Divida a página em três seções, horizontal e verticalmente, criando nove quadrados. A partir daí, componha a imagem para que os pontos focais fiquem ao longo das linhas ou em suas interseções.

Você pode colocar a linha do horizonte que fica no nível dos olhos no terço inferior da página em vez de diretamente no centro da imagem.

Acima, você notará que outros elementos importantes também ficam nas linhas, como o fim do pavilhão do trem e as luzes de cruzamento da ferrovia à direita.

Colocar a linha do horizonte no terço superior da página também funciona para perspectiva vista por cima.

A regra dos terços também funciona muito bem para fotos de interiores. Nesse caso, as linhas de perspectiva convergem no terço inferior direito da imagem. Alinhamentos secundários ocorrem com os feixes no terço superior e terceiro esquerdo.

2. Mudar para Perspectiva de Um Ponto

Em outras palavras, defina a câmera perpendicular à estrutura, gerando essencialmente uma renderização de elevação em perspectiva. Embora esse tipo de imagem às vezes pareça um pouco estático, pode ser um bom complemento quando combinado com imagens compostas de forma mais agressiva em uma série de ilustrações. Implemente perspectivas de um ponto quando quiser que um lugar pareça um pouco mais focado ou monumental.

Acima, a câmera é colocada perpendicularmente à ponte do pavilhão do trem. Isso cria muitas linhas horizontais e verticais na imagem em oposição às linhas diagonais que dominam a composição.

3. Master Centering

É difícil fazer o centramento, mas quando bem feito, pode gerar uma imagem realmente atraente. O ponto focal da imagem é colocado diretamente no centro da imagem e é hierarquicamente mais forte que todos os outros elementos da composição.

Acima, a imagem não é perfeitamente simétrica, mas ainda assim tem um equilíbrio. O contexto circundante é menor, mas igual em altura, atraindo o olho para o centro da imagem.

4. Deixe a natureza dominar

Em alguns casos, é menos sobre a arquitetura e mais sobre o contexto. Nestas situações, a linha do horizonte é muito baixa, sobrando muito espaço para o céu.

A paisagem, mais especificamente o céu, agora têm um papel fundamental nessa imagem ao invés de agir como um pano de fundo para a arquitetura.

5. Menos é mais

Com muita frequência, as imagens tem tantas informações que o objetivo não fica claro. Isso leva a imagens menos claras, porque o foco não esta em destaque. Em vez de aumentar o zoom da câmera para obter o máximo de informações possíveis, aproxime e concentre-se em uma única ideia.

Na imagem acima, poderia ter incluído muito mais elementos do design, como a grande escada, o deck abaixo, etc. No entanto, a concentração ficou em uma ideia, que era como a plataforma de visualização em balanço projetava do penhasco e do espaço contemplativo que isso criou.

Embora haja muita coisa acontecendo na imagem acima, ainda há apenas um único foco, que é como a rua se conecta à escada monumental que cobre o pedestal do centro cultural.

6. Corrija os verticais

A maioria dos fotógrafos arquitetônicos, se não todos, segue essa convenção porque é considerada uma representação mais precisa da arquitetura. É simples de executar e adiciona outro nível de refinamento à composição. O ajuste geralmente é feito ao nível de olho. Além disso, imagens com edifícios realmente altos, como arranha-céus, normalmente terão as verticais corrigidas.

Para fotos no nível dos olhos, como a acima, muitas vezes as linhas verticais irão convergir (ângulo à esquerda ou à direita).

A imagem acima mostra as linhas verticais corrigidas. Existem várias maneiras de fazer isso. Normalmente configura-se o software de modelo 3D (SketchUp) para “Two Point Perspective” antes da renderização, o que resolve esse problema. No entanto, se a imagem já estiver renderizada e editada, você poderá fazer a correção no Photoshop.

7. Não seja um gigante

Se você pretende criar uma visualização no nível dos olhos, defina a altura da câmera para cerca de 1,80 m para conectar melhor o espectador à experiência de estar naquele espaço. As pessoas muitas vezes racionalizam que querem ver melhor o plano do solo, então elevam a câmera para um pouco acima da altura da cabeça a 2,40m , 3,00m, 3,60m, etc. No entanto, isso cria uma composição incômoda e desconfortável. Esta regra não funciona se você estiver lidando com locais extremamente inclinados ou em pé em um terraço ou varanda.

 

 

Na imagem acima, a câmera está posicionada a cerca de 3,00 metros acima do solo. É difícil dizer se a câmera é colocada em uma sacada, se ela está sendo segurada por um gigante ou em drone voando baixo.

Aqui, a câmera está a 1,80 metros e dá uma melhor sensação de estar no espaço entre as pessoas.

Ao compor uma imagem, existem muitas variáveis ​​para levar em conta. Ideias de composição como as citadas hoje ajudam a simplificar o processo de raciocínio e acelerar a configuração inicial da câmera.

Gostaram das dicas? Deixem as resposta nos comentários.

Model Home

Não conhece o Model Home ainda? O Model Home é uma plataforma gratuita específica para os segmentos de arquitetura, engenharia, design de interiores e decoração, que tem como objetivo aproximar fornecedores e clientes. Através do Model Home, os profissionais podem expor gratuitamente seus trabalhos para milhares de pessoas que buscam por profissionais, inspiração e ideias para projetos de suas casas ou apartamentos. Cadastre-se já!